Sobre partidas, cinema e o assombro literário

Piglia: as contradições da realidade são melhor traduzidas no cinema
Piglia: as contradições da realidade são melhor traduzidas no cinema

Sobre partidas, cinema e o assombro literário

Por Olga de Mello*

Embora não fosse conhecida como escritora, a atriz Carrie Fischer escreveu livros e roteiros e morreu, no finzinho de 2016, ao retornar da turnê de sua mais recente autobiografia, Memórias da Princesa (Best-Seller, R$ 34,90), em que contava o caso que teve com Harrison Ford, na filmagem de Guerra nas Estrelas. Carrie, que encarnou a icônica Princesa Leia, uma guerreira, líder de rebelião, era um ídolo pop com quase a mesma relevância que sua mãe, Debbie Reynolds, uma talentosa show woman, a mocinha do clássico Cantando na Chuva, que não resistiu à perda da filha, falecendo no dia seguinte e consternando o mundo inteiro.

 

Mal a gente enxuga as lágrimas e puxa de novo o lenço. O argentino Ricardo Piglia, que acaba de deixar o planeta nesta primeira semana de janeiro, via no cinema uma forma de narrativa importante para refletir a vida. Os cineastas da Argentina, acreditava ele, estavam conseguindo captar melhor as contradições da realidade imediata do que a literatura. Em 2006, esta foi uma das declarações que ele me deu em entrevista, para o jornal Valor Econômico, quando Piglia discorreu sobre a sinergia entre autobiografia, ensaio e história como um caminho para a literatura contemporânea.

Cinco anos antes, o cineasta Marcelo Piñeyro adaptara o cultuadíssimo Dinheiro Queimado (Companhia das Letras, R$ 42,90), de Piglia, para o cinema. O filme foi tão reverenciado quanto o romance, que teve como base o cerco da polícia argentina aos assaltantes de um banco em Buenos Aires, em 1965. No entanto, a ficção sempre superava a realidade na história. “Quase tudo ali foi inventado, apenas as características dos personagens e a trama eram reais”, me disse Piglia na entrevista, quando apontou Silvia Molloy e Alan Pauls como alguns dos mais relevantes autores argentinos contemporâneos, salpicando elogios para o brasileiro Silviano Santiago, o espanhol Enrique Villa-Matas e os americanos Phillip Roth e Don DeLillo.

Professor de literatura em Princeton, Ricardo Piglia, como quase todos os escritores argentinos da atualidade, tinha na a vida política e econômica do país um dos temas que percorriam suas histórias. Apaixonado por literatura clássica, gostava de reler Moby Dick (Cosac Naify, R$ 74,90), de Herman Melville, que lhe provocava “assombro” a cada leitura. Piglia acredita que a literatura conseguia se aproximar melhor do mundo real no gênero policial, que permite captar perfeitamente o funcionamento das engrenagens sociais, juntando as relações entre poder, política e crimes, entre esses a corrupção. Para reverenciar o universo de reflexões e recriações artísticas da dura vida real, nada melhor do que começar o ano e aproveitar as férias de verão lendo não só a obra de Ricardo Piglia, como também seus autores preferidos ao longo de janeiro, enquanto esta coluna entra em breve recesso. Até fevereiro!!!

Anúncios

Sobre Olga

Para alguns, existem deuses e religiões; minha devoção se dirige à literatura. Assim surgiu este blog, um dos milhões que nascem a cada segundo no planeta. Sem pretensões, só para compartilhar um dos prazeres solitários mais subversivos e incompreendidos de que dispomos.
Esse post foi publicado em Humor, Para ler na rede, Uncategorized e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s