Mulheres fatais e a musicalidade literária

Todo mundo conhece – mais de ouvir falar do que pessoalmente – uma mulher fatal, aquela que enfeitiça os homens e acaba levando seus admiradores a finais trágicos. A cigana Carmem, imortalizada na novela de Prosper Mérimée, representa, essencialmente, essa mulher perigosa, que preza a liberdade antes de tudo e vive a inconstância das paixões, sem respeito ou consideração por quem a ama. Mas a história de Carmem e de Don José não pode ser compreendida pelo ponto de vista  contemporâneo, pronto a apontar misoginia na narrativa.

CarmenEOutrasHistoriasO parisiense Mérimée teve uma vida intensa, dedicando-se a diferentes atividades, entre elas a preservação de monumentos históricos e a arqueologia, além da literatura. O sucesso de Carmem deve-se, inegavelmente, à opera de Bizet, que soube aproveitar o enredo, mostrando o romance através dos olhos de Don José, como está no texto original. Carmem é bela, fascinante, exótica e suas atitudes anticonvencionais, pelos padrões burgueses, esclarece Mérimée, vêm de sua cultura. O relato de Don José é acrescido de um breve estudo sobre os costumes ciganos – que até hoje intrigam os outros grupos sociais – o que demonstra a tentativa de isenção de Mérimée, que, reduz assim as considerações moralistas no romance. O afastamento do autor como condutor da narrativa pode ser conferido em Carmem e outras histórias(Zahar, R$ 69,90), que reúne todas as novelas e contos de Mérrimée, traduzidos por Mário Quintana.

unidos_para_sempre_9788525411501_mO ambiente por excelência das mulheres fatais, no século XX, foi a literatura policial. A morte de Ruth Rendell, no início de maio, me levou a reler os poucos volumes de sua obra que tenho em casa – não chegam a uma dúzia. Embora as devoradoras de homens não sejam tão presentes assim em suas histórias, que sempre retrataram a sociedade a partir dos anos 1960, quando a liberação sexual alcança, enfim, as mulheres ocidentais, Ruth Rendell tinha cuidado em mostrar as sedutoras. Em Unidos para sempre (LP&M, R$ 18,90), lançado em 1975, a mulher fatal surge numa personagem secundária, interessada em conquistar o Inspetor Wexford, que busca o assassino de uma dona de casa sem o menor encanto. Em Simisola (Rocco, R$  15, em sebos), ele se vê fascinado por uma jovem ligada a um crime racial. Wexford resiste às tentações, pois Ruth Rendell quis criar um homem feliz no casamento, que não passasse a vida pulando de caso em caso, acumulando frustrações amorosas.

Quando se elogia um escritor, é comum dizer que sua literatura que suas palavras soam como melodia. Hoje é dia de fazer o contrário. Com a partida do guitarrista B.B. King, o mundo só não se empobrece culturalmente porque ele pôde deixar gravado o que ofereceu a nossos ouvidos. Ao chamar suas guitarras de “Lucille” – todas; cada uma era a Lucille da vez -, B.B. King mostrou que sabia fazer poesia musical. Seu toque nas cordas era firme, gentil, alegre como o carinho sensual, amoroso.  Entre os divertidos vídeos aos quais emprestou sua figura carismática está um dirigido por John Landis, para o lançamento do filme Into the night, estrelado por Michelle Pfeiffer e Jeff Goldblum, que participaram lado de outros “músicos” – Dan Ackroyd, Eddie Murphy e Steve Martin. Landis, além de amar esse elenco, foi o responsável pela revolução nos videoclipes com Thriller, que dirigiu para Michael Jackson. Landis reuniu novamente Ackroyd e B.B. King emBlues Brothers 2000, cercado por uma constelação de estrelas do jazz, rock, blues e pop.  E como temos a felicidade de viver na era da informação multimídia, aqui vão os dois clipes, pequenas demonstrações da arte do Rei do Blues, um literato da música.

Anúncios

Sobre Olga

Para alguns, existem deuses e religiões; minha devoção se dirige à literatura. Assim surgiu este blog, um dos milhões que nascem a cada segundo no planeta. Sem pretensões, só para compartilhar um dos prazeres solitários mais subversivos e incompreendidos de que dispomos.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s