Obras Abertas

Literatura: Escritores cedem ao impulso de retificar seus trabalhos e acabam por produzir novos, nem sempre assim reconhecidos.
Por Olga de Mello, para o Valor, do Rio
30/10/2009

Considerar concluída uma obra é, para muitos artistas, mais difícil do que concebê-la ou executá-la. O pintor francês Pierre Bonnard (1867-1947) costumava driblar a vigilância dos locais onde suas pinturas eram expostas para retocá-las. Detido em flagrante, de pincel em punho em um museu, candidamente Bonnard explicou que tinha o direito de aprimorar o quadro – que pertencia à instituição havia mais de dez anos.

Sem a mesma ousadia – ou excentricidade – de Bonnard, não são poucos os artistas que cedem ao impulso de retificar seus trabalhos. Para os escritores a oportunidade pode surgir a cada nova edição, levando, em alguns casos, à geração de novos livros que abordam o mesmo tema, complementando dados, no caso de não ficção, ou criando tramas a serem desenvolvidos em outros volumes. Em 1990, a francesa Marguerite Duras decidiu voltar a contar a história de seu primeiro amor ao saber da morte do ex-namorado. Seis anos antes, ela conquistara público e crítica com “O Amante”, narrado em primeira pessoa. Na segunda versão, “O Amante da China do Norte”, há um distanciamento maior dos personagens, por meio da narrativa em terceira pessoa. A oportunidade de constatar diferentes processos de produção literária não levou “O Amante da China do Norte” a arrebatar tantos leitores quanto o primeiro romance.

O escritor Godofredo de Oliveira Neto experimentou uma situação semelhante à de Marguerite quanto à recepção do segundo texto sobre uma mesma história. Seu último romance, “Marcelino” (Imago), entrou na lista dos 50 selecionados para o prêmio Portugal Telecom deste ano. “Quando souberam que era a nova versão de um livro já publicado, fui avisado de que estaria fora da disputa”, conta Godofredo. Em 2000, ele lançou “Marcelino Nambra, o Manumisso” (Nova Fronteira), saga ambientada na década de 40, escrita sem parágrafos ou pontuação. Chamado a conferir um roteiro cinematográfico baseado no livro, percebeu que as ações de um personagem eram atribuídas a outro. Decidiu, então, reescrever a história de maneira mais tradicional.

“Há mudanças significativas no desenrolar do enredo, pois os personagens ganharam detalhes necessários àquele estilo, com mais descrições de ambientes, de comportamentos”, explica Godofredo, que não pretende retomar outros de seus livros para novos exercícios literários. “É muito desgastante reescrever a mesma história sob outra ótica. As primeiras versões são menos sofridas.”

Resguardando ao autor o direito de mexer em sua obra sempre que considerar necessário, o escritor Flávio Carneiro teme que as revisões constantes se tornem obsessão. “O Drummond dizia que a gente publica para ficar livre daquela história. Existe um limite. Se pudesse, reescrevia tudo o que já publiquei, saía burilando. Mas não teria a coragem do Murilo Rubião, que chegou até a trocar nomes de personagens em diferentes edições de seus livros”, observa Carneiro, que passou dois anos montando um novo trecho para o policial “O Campeonato” (Rocco, R$ 38,50), publicado originalmente em 2002 pela Objetiva.

Antes de retomar o texto, lançou a novela gótica “A Confissão” (2006). Os dois romances e a ficção científica “A Ilha” (título provisório), que ainda está escrevendo, integrarão a “Trilogia do Rio de Janeiro”. “O enredo é o mesmo, mas consegui melhorar diálogos e tornar ‘O Campeonato’ mais enxuto”, diz Carneiro, que já havia reescrito o infantil “Acorda Rita” para um público de adolescentes.

Retomar personagens e interferir em textos já publicados pode ser menos angustiante que uma revisão, acredita o escritor Raimundo Carrero, que volta a temas e recria episódios com mais destreza do que corrige o que escreveu em outras épocas de sua vida. Pedir a um autor que reveja texto escrito na juventude é “uma crueldade”, afirma Carrero, que há quatro anos foi convidado a acompanhar a nova edição de seus três primeiros romances, fazendo pequenas alterações em um deles.

“Não quis reformar os pontos de vista do garoto de pouco mais de 20 anos que eu era quando escrevi aquelas histórias. Erros e equívocos fazem parte da carreira de um artista. Uma obra nunca se acaba e nunca vai se acabar. Os personagens podem se desdobrar e se revelar em diferentes livros”, diz o autor, que explora situações sob ângulos de diferentes personagens nos quatro romances que compõem “O Quarteto Áspero”, cujo último volume, “Minha Alma É Irmã de Deus” (Record), foi lançado há três meses.

O jornalista Zuenir Ventura preferiu criar uma sequência para “1968 – O Ano Que não Acabou” a atualizar o original, lançado há duas décadas. “Revisitei personagens e situações para saber como se encontravam 40 anos depois, e escrevi então o ‘1968 – O Que Fizemos de Nós’ (Planeta)”, conta Zuenir, que não acreditava no sucesso do tema. “Achava que teria uma edição apenas, se tanto.” Atualmente está na 43ª reimpressão. Apesar do interesse, ele não pretende voltar a abordar aspectos inexplorados daquela época. “O livro já inspirou a série de televisão ‘Anos Rebeldes’, de Gilberto Braga. Um de seus capítulos também foi adaptado para a TV francesa. Não, espero não mexer mais com ‘1968’”, comenta o jornalista.

A pressão por novas versões pode chegar antes de diversas reimpressões. Cerca de dois meses depois do lançamento de “1808” (Planeta), em 2007, Laurentino Gomes começou a ser instado a condensar as 418 páginas para um volume que atraísse jovens leitores. “Era um tal de ouvir pais dizendo que gostariam que os filhos lessem o livro, mas que nenhum garoto se interessaria por um calhamaço…”, conta Laurentino, que contratou uma equipe para ilustrar e reescrever o texto em linguagem juvenil. Reduzido a 146 páginas, “1808” foi adotado como material paradidático, vendendo cerca de 40 mil exemplares. Seu próximo livro, “1822”, que trata da Independência do Brasil, deverá ser lançado pela Ediouro com formatos para adultos, jovens, versão em áudio e em DVD.

O espanhol Javier Moro, que acaba de preparar um novo epílogo para “O Sári Vermelho” (Planeta), uma biografia de Sonia Gandhi, justifica a nova versão por uma necessidade de registro histórico. “Quis incluir a vitória de Sonia Gandhi e de seu filho Rahul nas eleições de maio de 2009”, relata Moro, que não deve retomar o texto. “Utopicamente, um trabalho nunca terminaria até a morte do autor, porque sempre surgem novas ideias, novos enfoques, novos retoques…. Não podemos deixar o processo criativo se tornar algo mais obsessivo-compulsivo do que já é.” Para Ângela Dutra de Menezes, que incluiu mais 50 páginas na nova edição de “O Português Que Nos Pariu” (Record), o autor sempre buscará aprimorar o texto. “O limite à obsessão é dado no contrato com as editoras, que, geralmente, permitem apenas três revisões a cada reimpressão. Se o autor pudesse mexer mais ainda, o trabalho seria infindável”, acredita Ângela.

Quando a revisão falha, mas não tarda

Até depois de morto, o romancista mexicano Juan Rulfo conseguiu corrigir a edição de sua obra-prima, o magistral “Pedro Páramo”. Em 2005, a edição comemorativa dos 50 anos de lançamento da novela incorporou alterações que o escritor fizera ao longo de décadas. Embora meticuloso, o colombiano Gabriel García Márquez, Prêmio Nobel de Literatura de 1982, só foi perceber um erro em “Cem Anos de Solidão” (Record) quando fez a revisão para a edição comemorativa dos 40 anos do lançamento do romance, em 2007.

“Durante esse tempo todo, nem os tradutores notaram a troca de nome de duas personagens, a amante, Petra, e a mulher, Fernanda, do Aureliano Buendía Segundo. Passou por, no mínimo, 50 milhões de leitores”, lembra Eric Nepomuceno, tradutor da nova versão de “Cem Anos de Solidão” e de outros oito livros de García Márquez, um autor cuidadoso com revisões das próprias edições – fez 300 alterações da primeira para a segunda impressão de “Notícias de um Sequestro” – que não gosta, porém, de acompanhar as traduções.

“Quando peço esclarecimentos, ele diz que já basta ter que aturar tradutor de inglês, francês, alemão”, conta Nepomuceno. Por isso, na biografia de García Márquez, “Viver para Contar”, foi mantido um trecho que o próprio escritor, quando confrontado pelo tradutor, não soube explicar. Na primeira vez em que vê o mar, Márquez o descreve como “uma vasta extensão de águas verdes, onde flutuava um mundo inteiro de galinhas afogadas”.

“O revisor não se conformou com aquelas galinhas afogadas e descobriu que existe apenas no Caribe uma espécie de peixe chamada peixe-galinha. Gabo riu muito, deu razão ao revisor, mas disse que não pensara nos peixes-galinha nem se lembrava bem por que escrevera aquilo”, recorda-se o tradutor, que é amigo do escritor. (OM)

Sobre Olga

Para alguns, existem deuses e religiões; minha devoção se dirige à literatura. Assim surgiu este blog, um dos milhões que nascem a cada segundo no planeta. Sem pretensões, só para compartilhar um dos prazeres solitários mais subversivos e incompreendidos de que dispomos.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s