Com os Mortos Não se Brinca

Com os mortos nao se brinca_080610.inddAlguns livros são iguais a pessoas com quem sentimos imediata afinidade – e intimidade – no momento em que travamos o primeiro contato.

Com os Mortos Não se Brinca (Suma de Letras/Objetiva), de Andreu Martin e Jaume Ribera, é um desses livros. Policial extremamente irônico, deixa o leitor completamente à vontade no ambiente de uma agência de detetives com especialidade em flagrantes de adultério.  Os personagens são delineados a partir da bem-humorada ótica do protagonista, o investigador Àngel Esquius, que apresenta a trama de forma tradicional: a chegada da cliente, no melhor estilo pulp/noir.

É bom conhecer policiais que oxigenam o gênero. Este foi escrito em catalão e recebeu prêmios específicos para romances policiais no idioma. Como foi o que me inspirou a abrir este blog, vai daqui um trecho para dar o  tempero combinado pelo psicólogo Martin e o jornalista Ribera – que também escrevem histórias-em-quadrinhos.

“Por culpa de uma pistola, Octavi não era agente policial. Dez anos antes, fora aprovado no curso, mas depois, durante o período de treinamento, dedicou-se a ir pelas discotecas com a pistola regulamentar bem visível sob o paletó aberto. Pensava que a arma atuaria como um chamariz na hora de paquenar. No fim das contas, seus chefes ficaram sabendo e o colocaram para fora. Mas era dos que não aprendiam.

E dos que não se calavam.

Vinte minutos depois das cinco, aquele chato estava nos disparando uma conferência sobre tudo o que havia investigado da Felícia Fochs. Sabia de memória sua filmografia e a letra de seu último sucesso como cantora, “Vamos brincar de papai-e-mamãe”, e estava em condições de desmentir com documentos nas mãos a pérfida infâmia segundo a qual a atriz tinha operado os lábios e os seios. “

Anúncios

Sobre Olga

Para alguns, existem deuses e religiões; minha devoção se dirige à literatura. Assim surgiu este blog, um dos milhões que nascem a cada segundo no planeta. Sem pretensões, só para compartilhar um dos prazeres solitários mais subversivos e incompreendidos de que dispomos.
Esse post foi publicado em Policial e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s